Editorial

Orgulho não faz mal a ninguém

16 de Maio de 2018 - 18h35 0 comentário(s) Corrigir A + A -

O pelotense costuma ser lembrado por desvalorizar a terra onde vive. Alguém que gosta muito de criticar sua cidade e apequenar a história, as conquistas e os potenciais do município, não raro deixados em segundo plano. Dar pouco valor ao que tem de bom e maior vitrine à síndrome de "coitadismo", como se costuma dizer.

Pois desde a última terça-feira Pelotas tornou-se a primeira cidade brasileira contemplada duplamente pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural decidiu, por unanimidade, aprovar o tombamento do Conjunto Histórico de Pelotas e reconhecer as tradições doceiras da Região de Pelotas e Antiga Pelotas como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

E você, o que acha disso? Irá destacar esse reconhecimento ou, novamente, menosprezar duas de nossas maiores representações culturais? É claro que enxergar apenas o "lado belo" da vida é ignorar a realidade. E o que não falta por aqui são problemas para serem listados e resolvidos. Mas também somos um celeiro de boas histórias para contar. Iniciativas de pessoas que, diariamente, ajudam a fortalecer o senso de comunidade e gostam de onde vivem, embora cercadas por quem tem dificuldade de admitir isso. Do cobrador de ônibus que decide aprender a linguagem de sinais por conta própria para se comunicar com passageiros surdos ao professor que projeta casas para famílias carentes (alvos de reportagem do Diário Popular), temos exemplos de sobra para sorrir e apontar. Carregamos no sangue um desejo enorme de solidariedade, sem nunca deixarmos de sonhar com dias melhores.

E esse orgulho, agora, ganhou dimensão nacional, através do patrimônio e do doce. Para todos carregarem e divulgarem a quem aqui chega ou daqui sai. Por isso, parabéns a você que mora em Pelotas.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados