Editorial

Bacia Pelotas será licitada esse ano

21 de Abril de 2017 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou em reunião extraordinária o calendário de rodadas de licitações de blocos exploratórios, concessão e partilha, e de campos terrestres maduros, previstas para acontecer entre 2017 e 2019.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para este ano, além das rodadas já aprovadas anteriormente - a 4ª Rodada de Acumulações Marginais, a 2ª Rodada de Partilha com áreas unitizáveis do pré-sal e a 14ª Rodada de Licitações de Blocos para Exploração e Produção de Petróleo e Gás -, foi aprovada a 3ª Rodada de Licitações sob o regime de partilha da produção, com quatro áreas localizadas nas bacias de Campos e Santos, na região do polígono do pré-sal, relativas aos prospectos de Pau Brasil, Peroba, Alto de Cabo Frio-Oeste e Alto de Cabo Frio-Central.

No caso da Bacia Pelotas - dividida em cinco áreas, de números 1658, 1662, 1666, 1785, 1789 e 1793 -, ela está contemplada na 14ª Rodada de Licitações. O processo deve acontecer no segundo semestre.

A Bacia Pelotas está localizada no extremo Sul da margem continental brasileira e sua porção submersa ocupa, até o limite territorial de 200 milhas náuticas, área de 346.873 quilômetros quadrados. A parte emersa ocupa aproximadamente 40.900 quilômetros quadrados dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Em território brasileiro, estende-se desde o Alto de Florianópolis, ao Norte, limite geológico com a Bacia de Santos, até a fronteira geográfica com o Uruguai. No país vizinho, prossegue até o Alto de Polônio, que a separa geologicamente da Bacia de Punta Del Este.

A espessura sedimentar atinge mais de nove mil metros. As atividades exploratórias nessa área foram realizadas pela ANP em quatro ciclos. O primeiro nas décadas de 1950 e 1960 (nesse período a Petrobras perfurou oito poços na porção emersa). O segundo na década de 1970, quando foram executados os primeiros levantamentos sísmicos na plataforma continental. O terceiro pulso exploratório ocorreu na década de 1990, com novas aquisições sísmicas e a perfuração de poços entre 1995 e 1996, sem a constatação de indícios significativos de hidrocarbonetos. E o último foi realizado em 1997. Duas décadas depois, portanto, o país voltará a apostar na presença de petróleo e gás na Região Sul.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados