Estilo
Crônica

A arte de envelhecer

07 de Julho de 2018 - 06h02 Corrigir A + A -

Por Lisiani Rotta

"Os velhos inteligentes, agradáveis e divertidos suportam facilmente a idade, ao passo que a acrimônia, o temperamento triste e a rabugice são deploráveis em qualquer idade". Cícero. A arte de envelhecer, segundo o filósofo romano, é encontrar o prazer que todas as idades proporcionam, pois todas têm as suas virtudes. Porém, reconhece ele, há quatro razões para acharmos a velhice detestável. 1) Ela nos afasta da vida ativa. 2)Ela enfraquece o nosso corpo. 3) Ela nos priva dos melhores prazeres. 4)Ela nos aproxima da morte.

Confesso que me irrita a hipócrita afirmação de que a terceira é a melhor idade. Todos nós sabemos que não há a mais remota possibilidade de ser a verdade de qualquer ser vivo do planeta. Ninguém em sã consciência gosta de ver declinar a sua juventude. Mas, diante às poucas opções, acho interessante nos prepararmos para torná-la mais fácil. Segundo Dráuzio Varella, o envelhecimento é a sombra que nos acompanha desde a concepção: o feto de seis meses é mais velho do que o embrião de cinco dias. Lidar com a inexorabilidade desse processo exige uma habilidade na qual somos inigualáveis: a adaptação.

Não há animal capaz de criar soluções diante da adversidade como nós. Da mesma forma que ensaiamos os primeiros passos por imitação, temos que aprender a ser adolescentes, adultos e a ficar cada vez mais velhos. É claro que a ideia de envelhecer nos aflige mais do que aos nossos antepassados. A expectativa de vida vem aumentando consideravelmente. A geração a qual eu pertenço tem grandes chances de passar dos oitenta.

Por isso, é importante observar o comportamento dos nossos idosos, aprender com seus erros e acertos, tentar adquirir a sabedoria necessária para aceitar as modificações que virão com o passar dos anos. Envelhecer não precisa ser sinônimo de decadência física, dependência ou depressão. Meu pai tem oitenta anos e corre diariamente.

Minha mãe tem setenta e oito anos e dança numa academia com colegas que têm a metade da idade dela. Os dois tem bons hábitos, continuam atentos às transformações do mundo, viajam, e tem uma vida alegre e movimentada. Obviamente, com uma vida longa, eles também tiveram os seus dissabores. Mas, isso não os impediu de se reinventarem. É a natureza particular e não a velhice que torna a idade avançada penosa. Por isso, cuidar da mente é tão importante. Precisamos aprender a aceitar o curso natural da vida e nos prepararmos física e mentalmente para enfrentá-lo. Amadurecer é um desafio. Um desafio difícil, mas não impossível de encarar.

Mas, precisamos começar já, a nos preparar. Pois, sabemos que só saberá envelhecer aquele que aprendeu a viver. Aquele que pertence ao tempo em que vive. Aquele que se sente comprometido não só com as suas vontades, mas com a sua evolução constante como ser humano. Aquele que tem a consciência de que será o exemplo para os seus filhos e netos. Precisamos nos reinventar constantemente. Descobrir o melhor caminho e deixar a porta aberta para os que amamos. Queremos ser uma fonte de boas energias, de sabedoria de vida, de inteligência emocional. Queremos encorajar e não aterrorizar os nossos descendentes. Para isso é importante que tenhamos vida própria. Que tenhamos obrigações e prazeres que mantenham as nossas mentes ativas.

Esse assunto, que tem preocupado a minha geração, sobre saber envelhecer, me faz lembrar uma história tragicômica que ouvi quando criança, sobre uma moça que às vésperas do parto, fugiu do hospital porque não queria ter o bebê. É óbvio que ela não estava bem. Deveria saber que não há como fugir de determinadas situações. Todos nós deveríamos saber que não há como fugir de determinadas situações. Há um curso a seguir. Resta-nos a sabedoria. Adoro o "aceita que dói menos". Uma frase divertida, mas muito sábia. Não brigue com o inexorável. Lute pra torná-lo mais fácil. Cuide-se bem. Alimente-se bem. Exercite-se. Procure os amigos. Leia. Vá ao cinema. Ouça música. Plante uma horta. Faça-se feliz. Coma numa mesa bem-posta.

Durma numa cama bem-feita. Coloque flores nos vasos. Abra a casa para o sol. Proteja-se de quem lhe coloca pra baixo. Cerque-se de coisas e pessoas que lhe fazem bem. Não seja um vampiro da energia alheia. Seja uma fonte. Ame-se incondicionalmente e lute para ser feliz! A infelicidade precisa de argumentos fortes pra se sustentar. Lute contra ela! Gente infeliz é muito chata.

Comentários Comente

REDES SOCIAIS

Diário Popular - Todos os direitos reservados