Estilo
Cinema

Pelas memórias agridoces

Casal de ex-namorados discute sobre o que a vida lhes proporcionou no sensível Blue Jay, com Sarah Paulson e Mark Duplass

06 de Maio de 2017 - 21h03 Corrigir A + A -
Filme independente remexe numa história de amor que ficou no passado (Foto: Divulgação - DP)

Filme independente remexe numa história de amor que ficou no passado (Foto: Divulgação - DP)

Jim e Amanda se reencontram no supermercado. O primeiro contato, depois de muitos anos, é constrangedor. “Já perguntei ‘como você está?’”, fala ele. “Já”, responde ela. A dificuldade em travar uma conversa é latente, mas logo percebe-se que existe uma extrema afinidade entre os dois. Algo adormecido, que vem à tona durante a jornada de 24 horas apresentada em Blue Jay, uma produção original do Netflix.

Na linha de Antes do amanhecer e Before we go, o longa-metragem acompanha o encontro dos dois personagens ao longo de 80 minutos, sustentado praticamente em diálogos. Jim e Amanda deixam o supermercado para beber em uma cafeteria, depois sentam à beira de um lago, fazem compras em uma loja de conveniências, jantam e dançam na casa dele e, por fim, caminham pelas ruas da pequena cidade na Califórnia que dá nome ao projeto.

Todas essas passagens ocorrem na presença de uma fotografia em preto e branco, o que reforça a melancolia da trama. Jim e Amanda eram aquele casal perfeito dos tempos de colégio, mas precisaram se separar. O que a vida lhes ofereceu na sequência não foi bem o que esperavam. Agora, adultos, ambos acreditam que deveriam estar completamente realizados, felizes. Ironicamente, esta não é a realidade, por mais que tentem disfarçar.

O olhar sensível do novato diretor Alex Lehmann (Asperger’s are us) apresenta pouco a pouco os machucados e as desilusões de cada personagem. O filme, em sua essência, é sobre escolhas, perdas, relacionamentos, o que deixamos no caminho, a procura pela felicidade. É sobre o curso avassalador da vida, o lado melancólico da existência.

Toda essa cumplicidade dos personagens funciona tão bem graças à dupla Mark Duplass e Sarah Paulson, completamente entregues ao projeto. O próprio ator assina o roteiro, que, segundo ele, estava delimitado em cenas, mas valeu-se de bastante improviso durante os diálogos. Talvez esteja aí o segredo para tamanha sintonia e veracidade presentes em Blue Jay: deixar que a experiência real tome frente.

Comentários Comente

REDES SOCIAIS

Diário Popular - Todos os direitos reservados