Economia

A Seleção na Copa vendeu?

As reclamações são generalizadas. A Copa do Mundo de 2018, na Rússia, não motivou o suficiente os torcedores pelotenses para a compra de material decorativo

11 de Julho de 2018 - 10h56 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

As reclamações são generalizadas. A Copa do Mundo de 2018, na Rússia, não motivou o suficiente os torcedores pelotenses para a compra de material decorativo. E a saída da Seleção Brasileira da competição, na sexta-feira, foi a gota d’água, avaliaram os comerciantes.

Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas), Gilmar Bazanella, apenas o segmento de eletrodomésticos teve crescimento, chegando a 1,8%, na comparação com o período anterior à competição. Os televisores puxaram este índice.

Os comerciantes apontaram, no levantamento do Sindilojas, que nos dias dos quatro de jogos da Seleção Brasileira não houve movimento nas lojas nem mesmo anteriormente a eles - em um período que as vendas estariam estimuladas por temperaturas mais baixas.

Nas lojas que vendiam material alusivo à participação da Seleção Brasileira na Copa da Rússia, o que amenizou o prejuízo é que a maior parte dos estoques era de quatro anos atrás. “Foi um fracasso total. O pessoal estava meio descrente”, avaliou o comerciante Cleiton Reis. “E sobrou menos da metade”, lembrou, citando a compra do mínimo de estoque para este ano.

A gerente Lucélia Stander mandou retirar na segunda-feira todo o material das prateleiras, concordando que alguns produtos em verde-amarelo poderão servir para as comemorações da Semana da Pátria em setembro. Segundo a também gerente Isabel Costa, as vendas ainda ocorrem agora para festas como de aniversários, o que justifica manter estas mercadorias nas prateleiras.

Álbuns foram atração
No entanto, os álbuns de figurinhas foram a exceção. Com preços entre R$ 7,90, R$ 19,00 e R$ 50,00, em versão mais sofisticada, eles mobilizaram os colecionadores para compra e troca das figurinhas. Cada envolope com cinco unidades custa R$ 2,00.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados