Estilo Pet

Saiba como reconciliar os peludos

As motivações para o início de uma briga entre cães podem vir de diferentes gatilhos; confira algumas dicas de como evitar o problema

14 de Maio de 2018 - 13h23 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Motivação. Importante identificar a causa da irritabilidade. (Foto: Infocenter Jô Folha)

Motivação. Importante identificar a causa da irritabilidade. (Foto: Infocenter Jô Folha)

Cuidar de mais de um cachorro em casa nem sempre é uma tarefa fácil. São diversos os motivos que podem levar os peludos a brigarem entre si. Os mais comuns são: posse (do dono, de comida ou de algum objeto) e estresse, que pode ser causado pela falta de socialização, de espaço, de interação com o tutor e de atividade física. Muitas vezes é possível identificar antes mesmo da briga ocorrer e evitar o desastre. Mas quando a situação foge do controle é preciso tomar atitudes positivas para que este tipo de confronto não volte a acontecer. Pensando nisso, Ingrid Stein, da DogHero, plataforma que conecta proprietários de cães, separou algumas dicas.

Descubra o gatilho
Sabendo a causa das brigas, fica mais fácil modificar o ambiente e diminuir as chances de novos brigas. “Isso é muito importante, porque quanto mais os cães brigam, maior será a tensão entre eles. E, conforme vão ficando “melhores” nas brigas, mais difícil será para eliminar esse comportamento”, explica Ingrid;

Coloque-os para gastar energia
Mantenha uma agenda regrada de exercícios diários com os cães juntos, um do lado do outro. É fundamental que a atividade seja suficiente para drenar a energia deles e que a atenção seja igual para todos.

Ponha limites
Treinos de obediência e imposição de limites são pilares fundamentais para o bom comportamento. Assim, você consegue ter o controle da situação e eles compreendem claramente como se comportar. Procure a ajuda de um adestrador profissional.

Associação positiva
É importantíssimo que você sempre associe a presença do outro cão a algo positivo. Não incentive disputas - inclusive por ciúmes do tutor.

Aplique a técnica
Separe-os, ambos na coleira, com a guia curta e cada um controlado por uma pessoa - elas devem ficar lado a lado a uns três passos de distância, mantendo os cães nas laterais opostas. A ideia é mantê-los perto um do outro sem que fiquem se encarando. Sempre que estiverem calmos, sem rosnar ou se importar com o outro, ofereça petiscos e palavras de incentivo para frisar que a companhia do outro é positiva.

Após alguns minutos fazendo esse exercício, é possível caminhar com eles lado a lado. O próximo passo é colocar um para cheirar o bumbum do outro. Segure a guia curta para que não briguem e ofereça petiscos para aquele que está sendo cheirado. Quando estiverem à vontade, tente deixá-los com a guia frouxa. Permita que eles se aproximem um do outro e se movam mais naturalmente. Faça isso apenas se sentir seguro. Quando achar que estão prontos, coloque os cães para fazer atividades juntos: brincadeiras, passeios, natação. É importante que esse treino seja feito com muita segurança e consistência. Às vezes, essa aproximação pode levar semanas e, em alguns casos, é necessário contar com um profissional.

Atenção à saúde
Mudanças bruscas de comportamento nos cães, como ficar mais irritadiço, podem significar problemas de saúde. Cães com dor, por exemplo, tendem a ficar menos tolerantes à aproximação.

Castração
Pode ser uma boa opção para cães que brigam por disputa de território (machos) ou por cio (fêmeas). “A testosterona é produzida nos testículos e é um hormônio intimamente relacionado com a agressividade.

14

pet 140518


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados