Vendas

Primeira tarde de sábado de comércio aberto agrada consumidores

Pelotenses que trabalham em horário comercial aproveitaram o período para fazer compras no Centro

03 de Março de 2018 - 18h30 Corrigir A + A -

Por: Cíntia Piegas
cintiap@diariopopular.com.br 

Loja de acessórios atraiu muitos consumidores.   (Foto: Gabriel Huth - DP)

Loja de acessórios atraiu muitos consumidores. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Vendedores ambulantes também aproveitaram a presença dos consumidores.   (Foto: Gabriel Huth - DP)

Vendedores ambulantes também aproveitaram a presença dos consumidores. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Doméstica Mara Emilia do Canto Silveira, 42, do Capão do Leão, diz que prefere comprar aos sábados à tarde.    (Foto: Gabriel Huth - DP)

Doméstica Mara Emilia do Canto Silveira, 42, do Capão do Leão, diz que prefere comprar aos sábados à tarde. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Gerente de loja, João Carlos Ücker, diz que o sábado é o dia mais importante para o comerciários.  (Foto: Gabriel Huth - DP)

Gerente de loja, João Carlos Ücker, diz que o sábado é o dia mais importante para o comerciários. (Foto: Gabriel Huth - DP)

No primeiro sábado de comércio aberto do ano em Pelotas, o movimento foi considerado bom para os lojistas e ótimo para os consumidores. O calor de 27ºC não foi empecilho para quem passou o período no calçadão da Andrade Neves, local de grande fluxo de pessoas. Para quem recebeu o salário do mês, a tarde serviu para olhar as vitrines, pesquisar preços e, por fim, comprar mercadorias.

Mara Emilia do Canto Silveira, 42, é doméstica e mora no Jardim América, no Capão do Leão. Para ela, o comércio aberto neste sábado à tarde foi a oportunidade perfeita para gastar o resto do dinheiro das férias. "Eu trabalho durante toda a semana e hoje (sábado) posso fazer minhas compras com mais tranquilidade." Mara só não sabia que precisaria fazer um investimento extra com sorvete. "Mas foi por uma boa causa, aliviar o calor".

Outra consumidora que mora distante do Centro e trabalha durante a semana e também aos sábados pela manhã é Luci Meri Taborda Pires, 54. Ela trocou a tarde quente do Laranjal por adquirir algumas peças de roupas, já planejadas no orçamento familiar. "Eu prefiro comprar neste dia, pois além de ser mais calmo é o único horário que tenho".

Venda extra
Quem comemorou a abertura das lojas foi o gerente de sorveteria Vinícius Santos Nogueira. Ele conta que costuma abrir sempre, para agradar quem passeia pelo centro em dias de muito calor, mas com o movimento da tarde deste sábado, as vendas aumentaram 30%.

Vai melhorar
Para o gerente de loja de eletrodomésticos, João Carlos Ücker, 54, o sábado é o dia mais importante da semana, mas como passou o período de veraneio fechado "até o pelotense se acostumar, vai demorar um pouco", conta. A expectativa do comerciário é de que no próximo final de semana o movimento comece a melhorar.

Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Pelotas (Sindilojas), Gilmar Bazanella, é cedo ainda para uma avaliação. "Mas com certeza este ano a abertura do comércio aos sábados à tarde teve um aspecto diferente do ano passado. Está sendo positivo, o que demonstra que não podemos mais ficar com o centro fechado nos meses de janeiro e fevereiro", afirmou. Bazanella diz acreditar que as vendas devem melhorar nas próximas edições, uma vez que é apenas início de março e muitos pelotenses recebem o salário no quinto dia útil do mês.

Atrativos
Para garantir a venda, algumas lojas, como é de praxe durante a semana, colocaram seus locutores para anunciar ao microfone a "grande liquidação de verão." Em outros estabelecimentos, os descontos de até 50% ficaram estampados nas vitrines.

Os vendedores ambulantes também aproveitaram a tarde para ocupar o centro do calçadão. DVDs, colchas, chapéus, brinquedos e cestas artesanais dos índios ocupavam espaço entre consumidores. O cenário, no entanto, não agradou o Sindilojas, que vai conversar com o Poder Executivo para tomar as medidas cabíveis. "Vamos pedir soluções como a realocação deles ou o aumento da fiscalização", assegurou Bazanella.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados