Deu problema

Pardais da avenida João Goulart não estão operando

Dnit irá definir se desativa ou aloca os controladores em outra área da rodovia

06 de Dezembro de 2017 - 10h50 Corrigir A + A -

JF_6724

Controladores de velocidade da avenida João Goulart podem ser remanejados para outros locais (Foto: Jô Folha - DP)

Dois dos seis pardais da BR-293, no trecho denominado avenida João Goulart, serão retirados esta semana. Os controladores a serem removidos são os localizados próximo ao trevo de entroncamento das avenidas Francisco Caruccio e Theodoro Müller, nos quilômetros 2,4 e 2,7 da rodovia.

A assessoria de imprensa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Pelotas diz tratar-se de um estudo de remanejamento, feito para verificar a possibilidade de realocá-los em outra parte da estrada. A decisão sobre a mudança e a possível nova localização ou o cancelamento destes redutores deverá ser tomada até sexta-feira (8).

O engenheiro do Dnit em Pelotas, Vladimir Casa, afirma serem comuns as falhas técnicas nos aparelhos. No entanto, ambos já foram desligados como parte do processo de remanejamento e não por qualquer tipo de falha. A empresa Kopp Tecnologia, do município de Vera Cruz, é a responsável pela manutenção dos pardais em algumas rodovias do Estado. Procurada, a empresa manifestou-se por meio de nota, esclarecendo que os dois controladores eletrônicos foram deligados apenas após a decisão do Dnit.

A Kopp Tecnologia afirma ter um técnico trabalhando exclusivamente na região, com vistorias semanais dos equipamentos, além de manutenções preventivas e corretivas. A empresa também relata ser a responsável por identificar os problemas, não sendo uma obrigação do Dnit o aviso ou o controle destas ocorrências.

Fiscalização
Segundo Vladimir Costa, em caso de pardais sem funcionamento, a fiscalização fica a cargo da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Não houve nada de extraordinário recentemente na rodovia, comenta, portanto, o Dnit está tranquilo quanto à qualidade da trafegabilidade. O diretor também comemorou os resultados dos controladores, pois se percebeu uma mudança drástica nos acidentes do trecho. "Se mostrou muito eficaz e diminuiu muito a quantidade de acidentes."

Sobre o vandalismo nestes equipamentos, diminuiu muito recentemente, com os defeitos sendo majoritariamente técnicos. Apesar de os pardais já terem sua localização conhecida pelo público, as multas seguem ocorrendo. "Normalmente, ele pega quem se distrai. A pessoa não percebe a presença", lembra o diretor, ressaltando também a reeducação para quem trafega no trecho que, apesar de pertencer a uma rodovia, cruza majoritariamente áreas urbanas.

Vivência de quem dirige
O caminhoneiro Eduardo Krause lamenta a existência de pardais sem funcionamento. Ele vê outros motoristas percebendo a falta de monitoramento no trecho e aproveitando isso para cruzar em velocidade superior ao permitido. Enquanto conversava com a reportagem próximo a um dos controladores desligados, ele apontou para um veículo ultrapassando em alta velocidade, no exato trecho onde o pardal deveria multar.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados